As startups vêm desafiando a forma como empresas tradicionais tocam seus negócios, e não é para menos: no Brasil, o ecossistema de startups vem batendo recordes. Só nos primeiros cinco meses de 2021, os valores aportados em startups brasileiras foram equivalentes a 90% dos aportes realizados em todo o ano de 2020.

De grande importância para a renovação e desenvolvimento do mercado, as startups são hoje uma das principais formas de empresas já consolidadas investirem em inovação. Na América Latina, por exemplo, gigantes como Petrobrás, Bimbo, Itaú e Falabella, apenas para citar alguns nomes, uniram-se a startups para inovar. 

Corporate Venture Builder é o nome desse modelo que leva empresas já consolidadas a colaborarem com startups, e seu principal objetivo é transformar as corporações por meio da inovação. Saiba mais sobre o assunto lendo este artigo até o fim!

O que é Corporate Venture Builder

Conforme as empresas vão amadurecendo, seu crescimento tende a cair, o que abre espaço para uma defasagem de mercado. Sendo assim, mais do que simplesmente pensar em formas de se manter competitivas no presente, as organizações precisam encontrar meios de se sustentar também no futuro. E a inovação é a chave para isso.

Veja os cases de sucesso da Farma Ventures e da Varejo Ventures.

O Corporate Venture Builder, portanto, visa levar às grandes corporações uma alternativa para a aproximação com as startups, saindo dos tradicionais programas de aceleração corporativa, labs, Venture Capital ou Venture Client, que são boas iniciativas, mas que podem não dar certo porque startups e corporações têm metas incompatíveis.

Nesse contexto, grandes corporações inovam em questões como melhoria de processos e otimização de modelos de negócios, mas geralmente são lentas para melhorar mudanças radicais, que têm um impacto real em suas estratégias no longo prazo.

Dessa maneira, as corporações geralmente acham difícil alcançar o horizonte disruptivo, que é o que as startups fazem de melhor por vários motivos, seja pelo fato de terem maior agilidade nos processos, pela sua abertura ao risco ou pelo uso de novas tecnologias.

Vamos analisar o modelo de Corporate Venture Builder proposto pela Byld:

“[…] de acordo com a  estrutura de inovação da McKinsey, existem três horizontes de inovação: incremental, emergente e disruptivo. Combinamos as oito iniciativas de inovação mais comuns das corporações nesses níveis, a fim de compará-las […]”. Veja a tabela abaixo:

Adaptação Corporate Venture Builder
Fonte: Byld, 2018

A Byld continua a sua análise e propõe uma comparação em 6 outras dimensões:

Fonte: Byld, 2018

É possível observar que o modelo Corporate Venture Builder está mais próximo de um potencial disruptivo, além de também promover a geração de um novo core business, isto é, uma nova atividade central da corporação. Além disso, esse modelo, em comparação a outros, ajuda a mitigar riscos de inovação baseando-se em um forte alinhamento estratégico e na integração da companhia.

O CVB na prática

Para exemplificar esse modelo, imagine que uma instituição varejista busca formas de inovar, mas percebe que sozinha ela não conseguirá os recursos — financeiros, humanos e tecnológicos — necessários para tal. Para alcançar seus novos objetivos, essa empresa busca por uma Venture Builder, organização especializada em inovação.

A partir daí, as duas organizações alinham seus objetivos e, juntas, fundam uma terceira empresa, a Corporate Venture Builder, que selecionará no mercado startups capazes de propor soluções para as dores daquela instituição varejista, além de levar essas soluções para o mercado posteriormente, se assim decidir.

As Corporate Venture Builders podem atuar de forma distinta em alguns quesitos, mas seu principal objetivo é desenvolver novas soluções inovadoras e, para isso, elas dão às startups todo o apoio necessário para crescerem. Nesse sentido, os empreendedores das startups ocupam-se com atividades ligadas ao desenvolvimento das soluções, enquanto a CVB atua em questões mais burocráticas e estratégicas.

Benefícios para as startups e corporações

Para as startups, o Corporate Venture Builder visa acelerar o seu crescimento através de uma combinação de melhores práticas dentro de um ambiente com real necessidade de mercado, ou seja uma “dor validada” por uma grande corporação.

Nesse ambiente, a startups tem total alinhamento com a estratégia de médio e longo prazo da corporação desde o primeiro dia. Assim, é possível promover uma integração completa com a corporação e, quando a startup estiver crescendo e expandindo, é possível aprimorar a imagem inovadora da empresa no mercado, atraindo os melhores talentos — aqueles com uma mentalidade empreendedora — tanto para as startups como para a própria corporação.

Ainda, ao compararmos esse modelo com o M&A (Fusão & Aquisição), o custo é bem mais acessível, uma vez que a inovação é construída do zero ou por meio da seleção de startups no mercado, e a velocidade de comercialização pode ser muito alta dependendo da rapidez com que a corporação consiga integrar as startups em seu portfólio.

De forma geral, o termo Corporate Venture Builder, também conhecido como Corporate Venturing ou Venture-building-as-a-service, tornou-se um termo genérico usado para descrever vários modelos com diferentes estruturas de capital e propriedade. No entanto, eles compartilham um ponto comum: um alinhamento de incentivos entre corporações, a Corporate Venture Builder e a equipe empreendedora da startup. 

Dessa maneira, as corporações que se sentarão no conselho estratégico é que decidirão questões de alto nível para as startups, mas a startup recebe espaço suficiente para ser ágil. 

Isso é altamente vantajoso para a empresa, já que ela poderá ditar a direção em que a startup deverá se mover, de forma que ela esteja alinhada com os interesses de longo prazo da corporação. Além disso, as startups também têm mais espaço para trabalhar no dia a dia, concentrando-se em entregar o produto.

Como a FCJ pode ajudar sua empresa a inovar

Neste cenário, surge o modelo de licenciamento de Corporate Venture Builder para grandes corporações proposto pela FCJ Venture Builder, que vem desenvolvendo e aprimorando o seu modelo desde 2013.

Esse modelo visa resolver vários “gaps” importantes para a corporação que deseja iniciar a sua Corporate Venture Builder, entre eles:

  • como estruturar uma Corporate Venture Builder;
  • como fazer o alinhamento estratégico da companhia com a iniciativa de inovação;
  • qual o modelo jurídico da Corporate Venture Builder que mitiga o risco;
  • como criar um modelo de governança corporativa sem afetar o mindset das startups;
  • como selecionar startups e acompanhá-las.

Em parceria com grandes empresas e instituições, como CDL BH, Sistema FAEMG, Drogal e Indiana, e Feluma, a FCJ conseguiu lançar novas Corporate Venture Builders em diversas localidades do Brasil, e os diferenciais desse modelo são:

  1. A corporação tem o controle acionário da CVB, permitindo, dessa forma, ter a agilidade e flexibilidade necessárias para desenvolver e fomentar a inovação, com governança;
  2. Participação dos executivos da corporação no processo de seleção (comitê de seleção) e de acompanhamento das startups, entre outros processos;
  3. Possibilita aos executivos e colaboradores serem investidores dessa iniciativa;
  4. Uma equipe exclusiva é contratada para se dedicar à CVB utilizando a metodologia validada da FCJ;
  5. Acesso a um Centro de Serviço Compartilhado (CSC) especializado em startups, com apoio jurídico, contábil, de marketing, mentorias, rede de franquia e fundraising;
  6. Acesso a uma rede mundial de mentores, executivos e investidores que compõem o grupo FCJ.

A FCJ conta com 24 Venture Builders espalhadas pelo mundo, mais de 80 startups em seu portfólio, mais de 380 investidores e mais de 440 empreendedores. Com isso, ela é considerada um dos maiores players em Venture Builder da América Latina. 

Quer transformar o futuro da sua corporação? Nós podemos ajudar! Entre em contato conosco agora mesmo. 

Posts relacionados

Deixe umcomentário